Delasnieve Daspet - Só Poesia


PLAGIADOR!

AMIGOS - MAIS UM PLAGIADOR NO PEDAÇO.
NOME: JOÃO PEDRO
BLOG:IN MY MIND
ENDEREÇO DO BLOG DO INDIVIDUO:
http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/
ENDEREÇO ONDE ELE COPIOU O MEU POEMA:
http://joaopedrotusabes.blogspot.com.br/2008/12/quando-os-olhos-secam.html
ESTE MELIANTE QUE SE DIZ CHAMAR JOÃO PEDRO - COPIOU INTEGRALMETE POEMAS MEUS
E DA TAYHANE RANGEL.
O MEU POEMA QUANDO OS OLHOS SECAM FOI PUBLICADO EM 02.09.2003 - NO SITE
USINA DE LETRAS:
Quando os olhos secam...
Delasnieve Daspet
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=78639&cat=Poesias
Poesias-->Quando os olhos secam... -- 02/09/2003 - 21:10 (Delasnieve Daspet)
.
VAO LÁ CONFERIR  DE REPENT ACHAM ALGUM SEUS. DENUNCIEM AO BLOGGER.
.
DELASNIEVE DASPET
OABMS 2181


Escrito por Delasnieve Daspet às 01h12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Há um silêncio hoje.

Delasnieve Daspet
.
 
Silêncio agora.
Consciência é palavra feia
Para quem nega a liberdade...
Observo as flores,
Elas continuam crescendo.
 
Chegamos na encruzilhada.
Não podemos voltar,
Nem parar.
 
Devemos continuar;
Ir...
Fechar os olhos,
Crispar os punhos.
 
O que tinha de aproximar
Apenas separou;
O amor que existia ,
Mesmo na vida,
É frio como a morte!
 
Há um silêncio hoje.
O adeus continua...
A noite pensa e dorme.
DD_Delasnieve Daspet - 18-10-02 Campo Grande MS


Escrito por Delasnieve Daspet às 20h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Este, sem dúvida, é um momento especial, um momento que divido com todos os amigos que consegui no mundo real e no virtual, a parceria de meu esposo e filhos,  - e, agradeço a todos, pois o agradecer é importante e  necessário.

Agradeço...
Delasnieve Daspet

Agradeço, o amor infinito;
Agradeço, o amor incomparável;
Agradeço, por que pensastes em mim;
Agradeço, porque sei que não me deixastes a própria sorte,
Porque sei que estas comigo,
Não só por hoje,
Mas por todo o sempre!

Toda vez que eu sorrir,
Toda vez que eu chorar,
Toda vez que eu me recolher,
Toda vez que eu me doar, agradeço!

Agradeço!
Agradeço a vida, a dignidade,
E a certeza de que tudo é possível...
Podemos, sim, conviver sem medo,
Sem rancor,
Em harmonia.

Agradeço pelo sol, pela lua,
Pelas estrelas, pelo vento, pela chuva,
Pelo calor, - que é a vida que transborda!

Agradeço, porque creio.
Creio na rua chamada Esperança
Pela qual caminhamos há tanto tempo!

Agradeço, porque acredito no ser humano,
Imagem e semelhança do amor...
Agradeço, porque acredito na vida,
Que célere e quente
Circula por minhas veias!

Agradeço, pela margarida branca
Em céu de sol dourado,
Perfume da mata que viceja,
Em meus rubros lábios sedentos...

Agradeço, pois que surges no final da tarde,
Tal qual andorinha sem ninho,
Em busca do ramo orvalhado...
**
Delasnieve Daspet
22.02.06 10,35 hs - Campo Grande MS

Em especial -
Agradeço aos novos amigos que tive o prazer e a honra de
conquistar neste caminhar.
Agradeço os momentos de luz e energia que temos,
A nivarna que atingimos com a palavra, com os atos,
com a atitude tomada!
É possível, sim, suprimirmos os sofrimentos - se isto
for o desejo da consciência individual.
Aos parceiros de caminhada que se sintam abraçados,
e continuemos a dividir esta paz que não é só nossa -
ela precisa ser construída por cada um de nós!
Brindo:
À Palavra - que temos em nós,
À Poesia - que é nosso canto,
Às mãos que se entrelaçam,
Ao abraço que nos demos em nome da solidariedade,
Ao Amor que todos sentimos,
À companhia que tivemos,
Brindo ao Ser Humano caminhante desta Senda!

Obrigada, em primeiro lugar, ao Universo que nos plasma.


                                        Delasnieve Daspet
                                             Poeta, essencialmente



Escrito por Delasnieve Daspet às 15h32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Foto de Elenir Escobar Barbosa Arguello

 

Teu olhar
Delasnieve Daspet
.
Na folha em branco,
Palavras escritas,
Em vermelho sangue, ferida!
.
Na sepultura dos sonhos,
Enfrentando as lutas,
Deixo-me morrer
Frente a frente aos seus olhos,
Sem jamais te alcançar.
.
No azul das algas salgadas,
Nas tormentas e marés calmas,
Lá longe, castanho, severo,
Brilha o teu olhar!
DD _ Campo Grande, 20.12.10

.


Escrito por Delasnieve Daspet às 23h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Quando as Estrelas Não Aparece

m ...

           Delasnieve Daspet
 
 
Quando fico no escuro
E as estrelas aparecem,
Não importa a situação,
Os  dedos tocam os sonhos,
E te buscam na eternidade
De uma canção.
 
 
Cansei de andar só,
Como um pardal na chuva.
E sem usar  as  máscaras permitidas,
Mal consigo  sobreviver...
 
 
Para fechar o ciclo,
Não busco  piedade
Sigo pela estrada, caminhando...
Quando as trevas se fecham em delírios,
Quando as estrelas  não brilham
Lágrimas queimam a minha alma,
E escurecem a minha  noite.
 
**************
 
Cuando las estrellas no aparecen
 
Cuando me quedo en la oscuridad
y las estrellas aparecen,
no importa la situación,
los dedos tocan los sueños,
y te buscan en la eternidad
de una canción.
 
Me cansé de andar sola,
como un gorrión en la lluvia.
Y sin usar las máscaras permitidas
mal consigo sobrevivir....
 
Para cerrar el ciclo,
no busco piedad.
Sigo por la calle, caminando...
Cuando las tinieblas se cierran en delírios,
cuando las estrellas no brillan,
las lágrimas queman mi cara
y oscurece mi noche.
 
Delasnieve Daspet
traducción: Lua
 
 


Escrito por Delasnieve Daspet às 23h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Algodão Doce
 Delasnieve Daspet
 
 
És o raio de luz que surge
Para prencher o vazio de minha loucura
Cheia  de escuridão...
 
Desvairada, eu me escondo na sua sombra,
E no silêncio da sua profundeza,
Encolho-me no sono que acalma...
 
E lá, dentro do infinito,  descubro
O seu olhar, úmido, como o orvalho da manhã,
No encontro de  sonhos e de ternura,
O seu sorriso que me faz especial.
 
 
E, eis-me, feliz, como uma criança,
Lambuzada de infinitude,
Algodão-doce do sonhar...
 
29.12.04
19,00 hs
Campo Grande MS
 


Escrito por Delasnieve Daspet às 19h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Sinto Falta das Coisas Que Íamos Fazer...
 Delasnieve Daspet
 
Foram tantos os sonhos,
Tantos quereres,
Findaram sem acontecer.
Sinto falta das coisas
Que íamos fazer...
 
O Verão se tornou  inverno.
A primavera não floriu.
Outounaram-se o tempo e o espaço.
E o dia e a noite, solidários,
Não amanheceu, nem anoiteceu,
E fico sem ter para onde ir, acompanhada,
Nas noites frias - da brumas  de tua ausência!
 
Faço parte da escuridão,
Faço parte da luz,
Da amargura que a palavra não expressa,
Do lamento o que a garganta não chora,
Da lágrima que  não rola,
Da prisão que enquadra a vida,
Da liberdade do ser e do sentir,
Paradoxos de mim!
 
28.12.04 - 10,00 hs
Campo Grande MS
 


Escrito por Delasnieve Daspet às 19h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Delasnieve Daspet às 22h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Jejum
Delasnieve Daspet
.

"Jejum, não significa
Privar-se de comida
Mas das paixões".
DD_Campo Grande – MS - 29 de setembro de 2011



Escrito por Delasnieve Daspet às 22h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Delasnieve Daspet às 22h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Salgueiro Triste
Delasnieve Daspet
.
Olho com avidez o sol.
Danço na escuridão.
E, abraçando a negritude da noite, busco a luz.
.
Noite, mostre-se!
Traga teu fogo, pois vago no teu desejo.
Traga-me tua carne pois anseio pelos
beijos que sorvem a liquidez de minh´alma.
.
Estou debaixo das asas do salgueiro.
Salgueiro triste e chorão...
Nos teus galhos balancei a alegria
De minha meninice,
Sonhava e sorria....
Hoje, me embala a nostalgia...
.
O poeta pode ser perigoso.
Perigoso e imprevisivel,
Pois ele pode chocar como
Uma forte tempestade,
Ou pode chorar como um salgueiro triste!
DD_13-04-04-Campo Grande MS



Escrito por Delasnieve Daspet às 22h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Delasnieve Daspet às 22h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O que é Verdade?
Delasnieve Daspet
03.05.08
.
Diante de tantas ideologias,
De tantas filosofias,
Tornou-se dificuldade
Estabelecer a verdade...
.
São tantas as formas e normas
Maneiras de interpretar e viver
Que os conceitos se indefiniram
Cada um alimenta, convicto,
A certeza do estar e do ser!
.
A cada dia uma nova crença
De acordo com os interesses
Ou sentimentos de buscas
Ou ate mesmo de bolsos....
.
A dor nos encaminha a procura
Nem sempre reais
Onde anda o espírito da verdade
Que não nos acolhe
Ou não a acolhemos nós ?
.
Onde andas, verdade?!
Procuro-te com olhos abertos
Para aprender discernir acontecimentos...
.
Aprender a não sucumbir às mentiras,
Dificuldades do dia a dia,
Pois muitas são as supostas verdades...
.
A solução apresentada
- Quase sempre uma máscara –
Apenas fachos de luz!
.
E a verdade,
Esta em mim e em nós,
Consiste em não se deixar seduzir,
Estar atento... atento com o coração...
Pois mesmo nas horas mais amargas
É a luz da verdade que assegurará
O caminho a seguir!
DD_ Campo Grande MS -03.05.08



Escrito por Delasnieve Daspet às 22h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Un autre jour se lève.

                       Delasnieve Daspet

 

Il n'est de meilleur moment
Que le temps présent.
La nuit est belle,
Pleine d’étoiles, agréable,
Et je veux parler.

 

J'ai marché à pas lents.
Je n'ai pas couru derrière le succès…
Jamais je n’ai arrêté de penser

A tout ce que je devais perdre
Si je me laissais aller.

 

Un autre jour se lève.
J'ouvre les fenêtres de mon âme
Pour vivre la vie
De vérité.

 

Je suis lasse de ne faire qu’errer,
De combattre des moulins à vent,
Je vois le soleil qui se couche et je comprends, enfin,
Que, quelque soit la route que je suive,
J'ai besoin de moi,

De moi toute entière !

 

Je n'ai pas besoin d’autres preuves.
Je peux respirer librement
L’air des vents qui vont et viennent.

 

Je jette des pierres dans le lac
Et noie dans le labyrinthe des eaux
Les rêves qui me font tenir.

 

  

 

Outro dia surge

 Delasnieve Daspet

 

 

Não existe tempo melhor
Que o presente.
A noite está linda,
Estrelada e agradavel,
E eu quero falar.

 

Andei devagar.
Nem fiz muita questão de ganhar...
Nunca parei para pensar
Do tanto que tinha a perder
Por me abandonar.

 

Outro dia surge.
Abro as janelas de minh´alma
Para viver a vida
De verdade.

 

Cansei de apenas vagar,
De combater moinhos de vento,
Vendo o por do sol entendo,
- finalmente -
Que por qualquer estrada que eu siga
Preciso de mim, inteira!

 

Não necessito outras provas.
Posso respirar e aspirar
Os ventos que vem e que vão.

 

Jogo pedras no lago
E afundo no labirinto das águas
Os sonhos que me mantém.

( Do livro de Liberté en Liberté )



Escrito por Delasnieve Daspet às 19h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Mensageiro

Mensageiro
Delasnieve Daspet

Quando retornas?
No teu nascimento questiono tua volta...
Te necessitamos agora,
A fome enconva millhares,
Outros, a violência -  extermina,
O descaso abandona  - crianças e velhos
Perambulam pelas cidades à tua espera....


Tua presença  é necessária,
Corajoso e decidido
Denunciarás os  os desmandos.
Anunciando  novo modo de ser e de fazer...

Claro, te contestaríamos de novo,
Até - quem sabe - voltaríamos a te crucificar...

Tua voz   mansa e suave
Faz estremecer as bases.
O  neo-liberalismo te teme, libertas,
Enquanto escravizam os menos favorecidos.

Tua presença  já tarda,
Condenarás a injustiça social,
A corrupção de centenas,
 A vida sem dignidade...
Organizarás um novo levante!

E a tua arma como sempre
É a Palavra,
Como começo, meio e fim.

És o porta-voz do justo,
O testemunho do amor total,
Expressão de alegria e esperança!
DD_23_12-08



Escrito por Delasnieve Daspet às 21h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Mulher, de 56 a 65 anos, Portuguese, Spanish, Livros, Informática e Internet, animais
Outro -



Meu humor



Histórico


Categorias
Todas as mensagens Citação



Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Luna&Amigos
 Delasnieve Daspet
 Pantanal-MS
 Recanto das Letras
 Planeta Literatura
 USINA DE LETRAS
 USINA DAS PALAVRAS
 LISTA DE POESIAS - LUNA&AMIGOS
 LISTA ATUALIZAÇÕES DO SITE LUNA&AMIGOS